My sick mind

13 04 2010

Em momentos inoportunos o que lhe vem como influência, criatividade ou sopro de idéia é transformado em algo. Um pensamento, uma vontade, algo instintivo ou físico. É onde meu design entra em fase embrionária. Lança-se o início de uma vida gráfica.

Nosso maior inimigo é o medo, medo de não satisfazer, medo de não criar o que é digno de sua capacidade? Desapegar-se desse medo é a chave da porta que guarda o baú do tesouro. Meu processo de criação é meio caótico e gera frutos. Graças, oh! Inspiração!






CD – package/layout

13 04 2010

Partido adotado e desenvolvimento do produto

Definição do partido adotado

Seguindo as análises, atribuí que a ilustração seria a base da confecção da arte. No processo de desenvolvimento de idéias no papel, em formas de “roughs”, cheguei a uma definição de forma e elementos. A embalagem e o encarte serão de papel reciclado,

a fim de transmitir a ligação com questões naturais e de reciclagem, contidas no briefing. A ilustração base é uma composição feita com a união de quatro ilustrações que formam uma só paisagem, desenhadas por Filipe R. Dias (baixista da banda Dublin). As fotos que serão usadas no encarte foram produzidas por mim, no dia 3 de Maio de 2009, na Colônia Juliano Moreira, Taquara, Jacarepaguá.

Materiais, forma, tipografia e cor

O Encarte:

O encarte tem 36cm X 24cm e 3 dobras. Em sua parte frontal contém a ilustração base, juntamente com a marca da banda (única parte vazada), e em seu verso contém massas de texto, referentes à: letras das músicas, agradecimentos e ficha técnica, além de elementos visuais posicionados entre a diagramação. Sua diagramação é diferente do comum, passando o ar de inovação que percebemos quando ouvimos o som da Dublin. O papel utilizado em sua confecção tem 240g de gramatura.

A Embalagem:

A embalagem do CD será totalmente feita de papel, em formato “digipak”, terá 12,5cm X 12,5cm quando fechado, 0,5 cm de espaço lateral, com a marca da banda, e 25,5cm quando aberto. Em seu interior, a peça recebe partes da ilustração base, e elementos textuais. A parte frontal a peça é dividida em 3 partes: Lateral da peça se encontra a marca da banda, com o fim de ser visualizada quando a peça se encontrar em uma prateleira; Frente do CD, onde a marca da banda é destacada, e é interferida por diversas folhagens, colocadas como as diversas influencias da Banda, musicas, culturas, comportamentos, ideais, etc.; Verso, contém as fotos tratadas que se comportam em harmonia ao terem uma ilustração com bastante ruído ao fundo, e que trabalham junto à elementos textuais para compor a identidade gráfica da banda. O papel utilizado em sua confecção tem 150g de gramatura.

A Bolacha:

Peça valorizada com ilustração, marca da banda e elementos textual. A bolacha foi tratada como peça gráfica de mesma importância que as demais, visto que nem sempre se guarda o CD em sua embalagem, sendo assim, a bolacha merece uma arte a altura de seu conteúdo. É a única peça que não contém papel reciclado, mas sim, uma simulação do papel, já que seu processo de produção é digital, impresso diretamente sobre a película da bolacha.

Comum a todas:

Ao fundo de todas as peças existe uma textura digitalizada, simulando um papel reciclado artesanal, feito com palhas de linho, escaneado e tratado digitalmente por meios de técnicas de manipulação digital de imagens. As peças sãos feitas de papel reciclado (reciclato), que é um dos papeis reciclados mais baratos, portando assim, diminuindo os custos da produção da peça, visando a banda como uma banda idependente e sem disponibilidade de empresário para custear a produção.

As tipografias utilizadas em massas de texto e destaques em títulos são em formato “comic”, suprindo as necessidades esclarecidas no briefing. São elas: Fawn Scrip (utilizada em massas de texto) e Edo (utilizada em títulos e destaques nos textos). Ambas em sua formatação regular.

As cores utilizadas na criação da arte foram basicamente o preto, na ilustração e na tipografia, além dos tons terrosos do papel simulado e do tratamento contido nas fotos dos integrantes. Além da utilização da própria tonalidade do reciclato, em partes vazadas da arte, obtendo assim seu tom mais claro como elemento de destaque para estas áreas.

Já que é previsto pela banda que a tiragem do CD seja feita em no mínimo 1000 unidades, sua impressão será no sistema offset. Além disso, a peça contará com uma faca de corte especial para moldar a embalagem como descrito na ilustração a baixo.

Desenvolvimento do produto final

O dinamismo no desenvolvimento do projeto se deu desde que o partido adotado entrou de fato para o trabalho, tendo um caminho para seguir e visando atender todas as exigências do “briefing”, logo foi encontrado um denominador comum entre a criatividade e o conceito. O fato de não seguir estereótipos foi colocado como principal meta, e as outras exigências serviram de apoio para chegar a conclusão do grafismo utilizado na composição da arte. A visão extrovertida contida nas fotos transmite a alegria, mostrando a desenvoltura de personagens no meio da ilustração, que são os integrantes da Dublin. Em vários aspectos a arte remete a uma visão clara da natureza fora do usual, nos traços da ilustração de Felipe R. Dias encontram-se vários elementos tais como galhos, flores, áreas com bastante plantas, paisagens com céus, nuvens e até um arauto da natureza pode ser encontrado no emaranhado de traços. O papel reciclado cumpre seu papel muito bem, e nas áreas vazadas se mostra como um elemento de destaque, e o elemento que o ajuda a se destacar é a imagem digitalizada de outro papel reciclado, papel artesanal de flores de linho, posta como plano de fundo da composição. A tipografia de estilo “comic” também é extrovertida, e faz parte de uma composição editorial diversificada, dependendo do local onde se encontra, as tipotrafias “Edo” e “Fawn Script” agem como uma dupla dinâmica no quesito “comunicação”. A bolacha do CD foi um dos elementos que teve uma atenção redobrada, pelo fato de ter que levar uma carga gráfica de modo que seja uma peça a altura de seu encarte e embalagem, sendo assim, foram incorporados elementos para que sua arte esteja em total similaridade e harmonia com as outras peças do produto. Em todas as peças a preocupação de unir os elementos de forma que formassem um conjunto único foi posta em prática, tornando-se assim a arte do primeiro CD de uma banda que pode ser vista e interpretada na composição gráfica contida no produto final.